População espera U.T.I para o Hospital de Campo Maior


O projeto para implantação de uma Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) no Hospital Regional de Campo Maior (HRCM) é uma promessa que já se estende por quase três anos sem qualquer solução ou previsão de quando esse implemento ocorrerá.

Ainda em 2015 a deputada federal Regina Sousa (PT) conseguiu a aprovação de uma emenda que destinava R$ 477 mil para o posto de enfermagem e para a área coletiva de tratamento, em 2016 com a liberação de R$ 38.336.6901,80 para investimentos na saúde do estado, outra emenda da senadora foi aprovada, destinando R$ 3 milhões para a construção da tão prometida Unidade de Tratamento Intensivo de Campo Maior, feita nas campanhas anteriores.

Apesar da destinação parecer um privilégio para Campo Maior, nota-se, na verdade, que o ato não passa da obrigação legal do estado em prover esses leitos. De acordo com a portaria nº 1101/GM – de 12 de junho de 2002, elaborada pelo Ministério da Saúde, seriam necessários em cada estado, cerca de 1 a 3 leitos de UTI para cada 10 mil habitantes, logo, por força legal, Campo Maior deveria ter entre 5 a 12 leitos de UTI, tendo em vista o volume populacional divulgado pelo IBGE.

Segundo informações da própria secretaria do órgão, o Hospital Regional de Campo Maior atende não só os municípios vizinhos, abrangendo uma parte considerável do território piauiense, acarretando muitas vezes a lotação da unidade. Veja a quantidade de municípios que o HRCM atende diretamente:

• Alto Longá
• Assunção do Piauí
• Coivaras
• Boa hora
• Boqueirão do Piauí
• Buriti dos Montes
• Cabeceiras
• Campo Maior
• Castelo do Piauí
• Cocal de Telha
• Jatobá do Piauí
• Juazeiro do Piauí
• Nossa senhora de Nazaré
• Novo Santo Antônio
• São João da Serra
• São Miguel do Tapuio
• Sigefredo Pacheco

Ou seja, mesmo havendo toda essa demanda populacional para ser atendida no HRCM, somente agora começou à cogitar-se o implemento de UTI’s, que ainda mesmo assim apresenta atrasos na sua execução.

O deputado Aluísio Martins (PT), ainda em maio de 2016 disse que a licitação das Unidades de Tratamento Intensivo eram irreversíveis, e que no máximo até a segundo semestre de 2016 elas já estariam em pleno funcionamento. Contudo, já entramos em 2017 e sequer verificou-se edital licitatório para essas UTI’s.


Com exceção de Teresina, o Piauí somente possuí leitos de UTI nas cidades de Piripiri, Floriano, Picos e Parnaíba. Segundo a Dra. Patricia Mello (presidente da Comissão de Títulos de Medicina intensiva da Associação de Medicina Intensiva Brasileira), para que se possa atender todo o estado em grau satisfatório, ainda são necessários 950 leitos. Atualmente o estado possuí somente 104 unidades.

É evidente a necessidade e urgência dessas UTI's não só para Campo Maior, mas para todos os municípios atendidos pelo HRCM, já que muitas vezes pacientes são vítimas da má gerência da verba destinada ao investimento hospitalar, onde toma-se como exemplo o caso em análise em que há verba, aprovação para construção, mas ao que parece, não é prioridade no momento.

fonte:180graus
População espera U.T.I para o Hospital de Campo Maior População espera U.T.I para o Hospital de Campo Maior Reviewed by Arnaldo Ribeiro on 17:32:00 Rating: 5